Pular para o conteúdo principal

SoulCollage: A descoberta do Eu Essencial para os idosos

SoulCollage ajuda pessoas da terceira idade a liberar emoções. Foto: Pixabay

Em algumas fases da vida, é natural que as pessoas se isolem um pouco do dia a dia que as cercam. Embora a solidão, em alguns momentos, seja bem-vinda, quando se torna constante pode virar um problema.  E com os idosos, essa realidade é ainda mais comum. Mas uma ferramenta utilizada pela psicóloga Katia de C. Miguel Larsen tem ajudado pessoas da terceira idade a liberarem suas emoções, evitando o isolamento muitas vezes sem vontade, a SoulCollage.

Foto: Pixabay
A SoulCollage é uma ferramenta utilizada em terapia para unir grupos de pessoas, e construir diálogos lúdicos e criativos entre as pessoas por meio de imagens e colagens. A técnica se utiliza de criatividade, intuição e imaginação no processo de descoberta do Eu essencial, no resgate da energia vital bloqueada por crenças limitantes, situações traumáticas ou aquelas aprendidas como verdadeiras, que acabam impedindo o desenvolvimento do potencial pessoal.

"Esse método é excelente para criar dinâmicas grupais de diversas naturezas, especialmente para idosos, sendo uma grande aliada contra o isolamento e a depressão nas fases da vida em que os filhos cresceram, construíram suas próprias famílias, ou quando algumas mudanças significativas ocorrem na rotina de cada um", explica Katia. “É conversando e se redescobrindo com criatividade, intuição e imaginação para falar de si, que conhecemos mais uns dos outros no mesmo ciclo de vida. Essa ferramenta facilita a formação de comunidade de suporte para partilhar anseios, dúvidas, rir e desfrutar da vida”, finaliza a psicóloga.


Postagens mais visitadas deste blog

RJ: Reame busca padrinhos afetivos para jovens preteridos da adoção

Instituição garante que referência familiar para convívio e autonomia social é algo fundamental e transformador

Situado em São Gonçalo e parceiro da nacionalmente reconhecida ONG Quintal de Ana, o Reame procura por padrinhos afetivos (presenciais, para aconselhamento e tutoria) a menores órfãos ou privados pela Justiça do convívio com a própria família. Ao alcance da maioria dos filantropos e dos bem intencionados, o programa propõe aos padrinhos doar tutoria e afeto a uma criança ou adolescente com menor probabilidade de adoção (acima de oito anos de idade) ou mesmo de reinserção em sua família verdadeira - dando-lhe, assim, referência familiar e autonomia social. Mais do que apoio financeiro, buscam-se altruístas que doem  presença e carinho.
"Quanto mais velho menor a procura por adoção. E se a reinserção familiar não é possível, o apadrinhamento afetivo torna-se o elo do tutelado com a sociedade. Trabalhamos na criança sua expectativa e ansiedade quanto a ter uma família, ir…

Coluna Inclusiva: 1º Congresso Brasileiro de Nanismo é confirmado no Rio de Janeiro

Conscientizar pessoas a favor de pessoas 
*Por Gisele Rocha




Pensei em mudar minha coluna e falar de um novo assunto, mas semana passada foi confirmado o 1º Congresso Brasileiro de Nanismo. Não preciso falar da minha satisfação em anunciar essa notícia. O nanismo no Brasil, apesar de ser muito comum, muitas pessoas não sabem como chamá-los, como lhe dar com a situação. O Congresso será uma peça fundamental para consolidar o nosso espaço de uma vez por todas.
Não vamos passar despercebidos, ou como atrações mais de nada, precisamos da nossa identidade, precisamos que a sociedade entenda que ter nanismo é só uma questão de estatura, pois somos grandes em tudo que fazemos, somos fotógrafos, donas de casa, crianças, advogadas, estilistas, artesãs, somos homossexuais, trans, negros, mães, amantes, homens, mulheres, médicos, artistas, somos artistas de circo também, profissão digna e de muito orgulho.

O preconceito está nos olhos e na cabeça de quem ver e de quem tem ignorância o bastante pa…

Coluna Inclusiva: Nanismo dentre as Leis de conscientização e ação

Por Gisele Rocha*


A comunidade da pessoa com nanismo no Rio de Janeiro, teve um encontro de gratidão. A presidente da Associação de Nanismo do Estado, Kenia Maria Rio se encontrou com a Deputada Daniele Guerreiro, em seu gabinete, que elaborou o Projeto de Lei, que institui o Dia Estadual do Nanismo. Em meio às emoções, a presidente agradeceu pela sensibilidade e dedicação da parlamentar, ao instituir a lei.
No Brasil são cerca de 400 tipos de nanismo e não existem planos de ação para combater o preconceito, nem para dar mais qualidade de vida a essas pessoas. Com o decreto 5.296, o nanismo é considerado deficiência no país, desde 2004, e considerados “anão ou anã” o individuo com até 1,45 metros.
A garantia dos direitos da pessoa com nanismo está assegurada por lei, mas quanto à conscientização de fato, já é outra história, na prática não funciona. As leis que estão sendo sancionadas pelo Brasil a fora serve para o combate ao preconceito, ao bullyng nas escolas, a ridicularização na …