Pular para o conteúdo principal

Grátis: Favela Mundo oferece 1.200 vagas em oficinas de capacitação profissional, em quatro favelas do RJ

Projetos são voltados pra crianças e adolescentes da Cidade de Deus e Tomás Coelho e jovens e adultos na Rocinha e Piedade

Cursos preparam para o mercado do carnaval, artes e estética. Foto: Divulgação

Rio de Janeiro, RJ. Durante os meses de julho e agosto, a ONG Favela Mundo desembarcará simultaneamente em quatro comunidades: Rocinha, Piedade, Cidade de Deus e Tomás Coelho. Nas duas primeiras serão ofertadas oficinas de capacitação profissional para jovens e adultos, através do Projeto A Arte Gerando Renda. Os cursos são voltados para o carnaval, artes cênicas e estética, com aulas de artesanato, decoração de unhas, fantasias e adereços, grafite, maquiagem artística, maquiagem social, turbantes e tranças afro.

Foto: Cacau Fernandes
Já na Cidade de Deus e em Tomás Coelho serão desenvolvidas atividades para os pequenos, do Projeto Favela Mundo – homônimo a ONG – com aulas de danças brasileiras, hip hop, jazz, teatro, canto e violão. Os projetos são patrocinados pela Prefeitura do Rio e Secretaria Municipal de Cultura, LAMSA, MetrôRio  e contam com apoio do Instituto Invepar. As inscrições começam na próxima segunda-feira, dia 3 de julho. As aulas do Arte Gerando Renda começam no dia 30 de julho. As oficinas do Favela Mundo iniciam em 1º  de agosto .

Foto: Illan Pellenberg
Estamos muito contentes com o resultado obtido no Engenho da Rainha nos últimos meses onde 317 crianças e adolescentes ocuparam 777 vagas em seis oficinas artísticas e capacitamos 60 adultos com cursos de maquiagem e decoração de unhas. A maioria dos alunos fez dois ou mais cursos”, enumera Marcelo Andriotti, fundador da ONG. E complementa: “O Favela Mundo é um projeto itinerante. Passamos normalmente um ano em cada comunidade, desenvolvendo a cidadania através da cultura, desenvolvendo as potencialidades dos alunos, apresentando um mundo cheio de possibilidades, além de estimularmos a continuidade dos estudos. 

Foto: Divulgação
"Optamos pela itinerância justamente para atingirmos cada vez mais crianças e jovens e realmente democratizar a cultura nas comunidades. O projeto planta a semente, mostra às famílias que é possível um desenvolvimento saudável e que todos tem direito aos bens culturais e a educação de qualidade”, finaliza Andriotti. Os números são expressivos: em sete anos, foram mais de 4 mil alunos provenientes de 125 favelas e bairros do Rio e  da Baixada.

Para se inscrever é necessário levar:

Crianças e adolescentes: certidão de nascimento, comprovantes de frequência escolar e de residência, além de identidade e CPF dos responsáveis.

Jovens e adultos: identidade, CPF e comprovante de residência.

Endereços:

Cidade de Deus - Escola Municipal Senhora Perciliana de Alvarenga (Rua Moisés, s/n).

Tomás Coelho – Escola Municipal Maria Mazzetti (Av. Pastor Martin Luther King Jr 4676).

Rocinha - ­ Av. Niemeyer 776/ 8 andar - CRAS Rinaldo de Lamare.

Piedade - Rua Torres de Oliveira 436 - Várzea Country Clube.

Informações: 21 2236-4129 ou www.favelamundo.org.br

Fonte: Agência Is

Postagens mais visitadas deste blog

RJ: Reame busca padrinhos afetivos para jovens preteridos da adoção

Instituição garante que referência familiar para convívio e autonomia social é algo fundamental e transformador

Situado em São Gonçalo e parceiro da nacionalmente reconhecida ONG Quintal de Ana, o Reame procura por padrinhos afetivos (presenciais, para aconselhamento e tutoria) a menores órfãos ou privados pela Justiça do convívio com a própria família. Ao alcance da maioria dos filantropos e dos bem intencionados, o programa propõe aos padrinhos doar tutoria e afeto a uma criança ou adolescente com menor probabilidade de adoção (acima de oito anos de idade) ou mesmo de reinserção em sua família verdadeira - dando-lhe, assim, referência familiar e autonomia social. Mais do que apoio financeiro, buscam-se altruístas que doem  presença e carinho.
"Quanto mais velho menor a procura por adoção. E se a reinserção familiar não é possível, o apadrinhamento afetivo torna-se o elo do tutelado com a sociedade. Trabalhamos na criança sua expectativa e ansiedade quanto a ter uma família, ir…

Norton: 5 dicas para que as crianças joguem Pokémon Go em segurança

Jogo é febre mundial e foi lançado ontem no País, conheça os perigos reais aos pequenos

Pokémon Go foi lançado no Brasil após muita espera de seus fãs, pessoas de todas as idades que estavam ansiosas para capturar seus próprios “monstrinhos de bolso”. O jogo utiliza a realidade aumentada e a localização geográfica (GPS) para transportar a pessoa para o universo do desenho, usando o mundo real. O objetivo do jogador é caminhar para encontrar os Pokémons e outros itens. Apesar de muito divertido, o jogo oferece perigos virtuais e reais, principalmente para as crianças. 
Veja abaixo 5 dicas que o engenheiro de segurança da Norton, Nelson Barbosa, listou para os pais orientarem seus filhos:
1. Cuidado com estranhos. O jogo envolve interação com outros jogadores na vida real, em áreas chamadas de ginásios e Pokéstops. Neste locais ocorrem as batalhas entre Pokémons e a compra dos itens, respectivamente. Os criminosos podem se aproveitar disso para roubar as vítimas. Por isto, caso não possa…

Coluna Inclusiva: Nanismo dentre as Leis de conscientização e ação

Por Gisele Rocha*


A comunidade da pessoa com nanismo no Rio de Janeiro, teve um encontro de gratidão. A presidente da Associação de Nanismo do Estado, Kenia Maria Rio se encontrou com a Deputada Daniele Guerreiro, em seu gabinete, que elaborou o Projeto de Lei, que institui o Dia Estadual do Nanismo. Em meio às emoções, a presidente agradeceu pela sensibilidade e dedicação da parlamentar, ao instituir a lei.
No Brasil são cerca de 400 tipos de nanismo e não existem planos de ação para combater o preconceito, nem para dar mais qualidade de vida a essas pessoas. Com o decreto 5.296, o nanismo é considerado deficiência no país, desde 2004, e considerados “anão ou anã” o individuo com até 1,45 metros.
A garantia dos direitos da pessoa com nanismo está assegurada por lei, mas quanto à conscientização de fato, já é outra história, na prática não funciona. As leis que estão sendo sancionadas pelo Brasil a fora serve para o combate ao preconceito, ao bullyng nas escolas, a ridicularização na …