Pular para o conteúdo principal

A Grande Obra: Como identificar e o que fazer quando as emoções atrapalham, de Luiz Alberto Hetem

Como emoções que são normais podem interferir de maneira negativa no comportamento e nas relações interpessoais

No momento em que a polarização extrapola o futebol e o FlaFlu invade diversos aspectos da vida em sociedade, as nossas emoções estão mais a flor da pele. Isso é normal? Pode ter consequências? O que fazer quando sentimos raiva ou orgulho? Isso atrapalha a vida? Pode atrapalhar ou ajudar, depende de como a pessoa identifica essas emoções.

O médico psiquiatra Luiz Alberto Hetem, a partir de anos de atendimento em consultório de psiquiatria, identificou alguns comportamentos que apresenta de maneira informativa em seu livro A Grande Obra. Na obra, o autor aborda de forma inédita como as emoções (especialmente a raiva, a inveja, o orgulho e a culpa) podem influenciar na vida das pessoas e maneiras para identificá-las e impedir que se tornem obstáculos nas relações interpessoais.

Com a popularização de medicamentos e tratamentos psiquiátricos, muitas pessoas procuram os consultórios acreditando que sentimentos normais são manifestações de problemas graves – ou até mesmo doenças. O objetivo desta obra é contribuir para que as pessoas identifiquem em si mesmas esses sentimentos que podem atrapalhar a vida e dificultar as relações interpessoais. “Esse é o primeiro passo para a mudança”, afirma Hetem.

De acordo com ele, “este não pretende ser um manual de autoajuda nem visa substituir o trabalho de um psicoterapeuta. É um livro direcionado às pessoas pensantes, questionadoras e que se interessam pelos assuntos da mente, dentre eles as nossas emoções”.

A partir de relato de casos fictícios, inspirados em histórias reais que Hetem acompanhou durante anos, nos atendimentos em psiquiatria clínica, A Grande Obra apresenta uma variedade de possibilidades de como as emoções-obstáculo (como o autor convencionou chamá-las) podem se expressar. “No momento certo, que é variável para cada indivíduo, um estímulo preciso pode deflagrar uma centelha que, por sua vez, principia o processo de autoanálise, cuja consequência natural é a ampliação do autoconhecimento”, explica.

Saber como controlar os sentimentos ou mesmo evitar que as reações que geralmente os acompanham sejam desencadeadas por um gatilho, pode tornar a vida menos complicada. “Não existe sentimento bom ou ruim. Aprender a lidar com os sentimentos é mais promissor e menos desgastante do que tentar negá-los ou eliminá-los”.

Confira o book trailer:



Foto: Gustavo Semeghini
Sobre o autor: Luiz Alberto Hetem é paulista de Ribeirão Preto. Formou-se médico pela Faculdade de Medicina de Botucatu, da Unesp, em 1985. É especialista em Psiquiatria, doutor em Saúde Mental (área de concentração: Psicofarmacologia) pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRPUSP) e fez pós-doutorado no Serviço de Psiquiatria do Hospital Civil de Estrasburgo, na França. Foi professor da Pós-graduação em Saúde Mental da FMRP-USP de 1999 a 2010 e diretor da Associação Brasileira de Psiquiatria de 2003 a 2010. Coeditou livros técnicos sobre Transtornos de Ansiedade, de Educação Continuada em Psiquiatria e um livro de divulgação, Entendendo os transtornos mentais. Desde 2011 dedica-se unicamente à clínica privada. É casado e tem dois filhos.

Link para adquirir o livro: www.gruponovoseculo.com.br/selos/figurati

Postagens mais visitadas deste blog

RJ: Reame busca padrinhos afetivos para jovens preteridos da adoção

Instituição garante que referência familiar para convívio e autonomia social é algo fundamental e transformador

Situado em São Gonçalo e parceiro da nacionalmente reconhecida ONG Quintal de Ana, o Reame procura por padrinhos afetivos (presenciais, para aconselhamento e tutoria) a menores órfãos ou privados pela Justiça do convívio com a própria família. Ao alcance da maioria dos filantropos e dos bem intencionados, o programa propõe aos padrinhos doar tutoria e afeto a uma criança ou adolescente com menor probabilidade de adoção (acima de oito anos de idade) ou mesmo de reinserção em sua família verdadeira - dando-lhe, assim, referência familiar e autonomia social. Mais do que apoio financeiro, buscam-se altruístas que doem  presença e carinho.
"Quanto mais velho menor a procura por adoção. E se a reinserção familiar não é possível, o apadrinhamento afetivo torna-se o elo do tutelado com a sociedade. Trabalhamos na criança sua expectativa e ansiedade quanto a ter uma família, ir…

Norton: 5 dicas para que as crianças joguem Pokémon Go em segurança

Jogo é febre mundial e foi lançado ontem no País, conheça os perigos reais aos pequenos

Pokémon Go foi lançado no Brasil após muita espera de seus fãs, pessoas de todas as idades que estavam ansiosas para capturar seus próprios “monstrinhos de bolso”. O jogo utiliza a realidade aumentada e a localização geográfica (GPS) para transportar a pessoa para o universo do desenho, usando o mundo real. O objetivo do jogador é caminhar para encontrar os Pokémons e outros itens. Apesar de muito divertido, o jogo oferece perigos virtuais e reais, principalmente para as crianças. 
Veja abaixo 5 dicas que o engenheiro de segurança da Norton, Nelson Barbosa, listou para os pais orientarem seus filhos:
1. Cuidado com estranhos. O jogo envolve interação com outros jogadores na vida real, em áreas chamadas de ginásios e Pokéstops. Neste locais ocorrem as batalhas entre Pokémons e a compra dos itens, respectivamente. Os criminosos podem se aproveitar disso para roubar as vítimas. Por isto, caso não possa…

Coluna Inclusiva: Nanismo dentre as Leis de conscientização e ação

Por Gisele Rocha*


A comunidade da pessoa com nanismo no Rio de Janeiro, teve um encontro de gratidão. A presidente da Associação de Nanismo do Estado, Kenia Maria Rio se encontrou com a Deputada Daniele Guerreiro, em seu gabinete, que elaborou o Projeto de Lei, que institui o Dia Estadual do Nanismo. Em meio às emoções, a presidente agradeceu pela sensibilidade e dedicação da parlamentar, ao instituir a lei.
No Brasil são cerca de 400 tipos de nanismo e não existem planos de ação para combater o preconceito, nem para dar mais qualidade de vida a essas pessoas. Com o decreto 5.296, o nanismo é considerado deficiência no país, desde 2004, e considerados “anão ou anã” o individuo com até 1,45 metros.
A garantia dos direitos da pessoa com nanismo está assegurada por lei, mas quanto à conscientização de fato, já é outra história, na prática não funciona. As leis que estão sendo sancionadas pelo Brasil a fora serve para o combate ao preconceito, ao bullyng nas escolas, a ridicularização na …