Pular para o conteúdo principal

CCBB-RJ: 5ª Semana de Conscientização do Autismo e suas possibilidades (Até 10 de abril)

Diante das expectativas de cada um, como ver o que pode ser feito ao invés de olhar só para o que não pode ser feito, para o que não acontece e para o que não dá certo?

Divulgação

No final do ano de 2007, a Organização das Nações Unidas estabeleceu o dia 02 de abril como o Dia Mundial de Conscientização do Autismo a fim de chamar a atenção da população acerca dessa questão. Estima-se que esta complexa síndrome atinja cerca de 2 milhões de pessoas no Brasil e, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 70 milhões no mundo. 

Celebrando 5 anos da Semana de Conscientização do Autismo do CCBB Educativo, entre os dias 02 e 10 de abril, o CCBB Rio convida o público a refletir sobre a inclusão de pessoas autistas, inclusive nos espaços culturais. 

A partir do tema “Autismo e suas possibilidades” a programação reúne especialistas como a doutora em psicologia Roberta Caminha, a fonoaudióloga e pioneira em inclusão escolar Adriana Fernandes, o jornalista Luiz Fernando Vianna, entre outros e traz encontros, capacitações e visita mediadas especialmente desenvolvidas para autistas e público interessado.

Programação: Mesa Redonda: 03 de abril, as 18h. Público alvo: Pessoas autistas, familiares, professores, educadores, pedagogos, terapeutas, psicólogos e  todos os interessados.

Adriana Fernandes / Divulgação
COMUNICAÇÃO ATRAVÉS DO AFETO - Adriana Fernandes
Meu filho vai falar? Vamos conversar sobre essa e tantas outras perguntas que envolvem a dificuldade de comunicação no TEA. A fala é a única forma de expressão? O que motiva uma pessoa a falar? O que a impede? Pensando que a linguagem tem função social e acontece em duas vias, ela só tem sentido se existe o outro. Quando são os pais que estão na outra via, como se expressam com o filho? Como podem criar um ambiente favorável à potencialização do desenvolvimento da linguagem? Vamos debater esse ponto de vista? 

O conceito de afeto que irei apresentar vai além do carinho, do afago, ele traz a importância de afetar, impactar o outro com nossos gestos, voz, expressões e movimentos. É um convite a refletir sobre a importância da mudança das nossas atitudes para despertar a motivação para a comunicação. (Adriana Fernandes é Fonoaudióloga formada pela UFRJ, com 12 anos de experiência em atendimento clínico no Rio de Janeiro e consultoria para pais e profissionais em todo Brasil. Especialista em Inclusão Escolar e Transtornos do Espectro Autista pela PUC-Rio. Certificação Internacional em Integração Sensorial pela Clínica Ludens/University of Southern California. Terapeuta DIR/Floortime - Profectum/EUA.)

Roberta Caminha / Divulgação

UM OLHAR ALÉM DO AUTISMO - Roberta Caminha
A importância de se trabalhar focando nas potencialidades, no processo, nas diferenças individuais e na capacitação das famílias. (Roberta Caminha é psicóloga, doutora em Psicologia pela PUC-RIO. Criadora do canal e da página "Além do Autismo", que tem por objetivo difundir o conhecimento da área. Idealizadora do CONPSAU- Circuito Online de Palestras sobre o Autismo.)

VAMOS FALAR SOBRE O AUTISTA ADULTO? -   Luiz Fernando Vianna
Meu filho Henrique está com 16 anos. Sua trajetória acidentada com mudanças frequentes de país muito provavelmente prejudicaram suas possibilidades de desenvolvimento. Porém, ao contrário do que partes mais amargas do meu livro podem indicar, não seria impossível que ele avançasse na comunicação, na socialização, na realização de atividades cotidianas. 

É importante ressaltar que o autista adulto não é um caso perdido, como alguns terapeutas e o poder público querem com frequência nos fazer crer. É preciso pensar no potencial do adulto com autismo e no seu direito a uma vida satisfatória. (Luiz Fernando Vianna é jornalista e trabalhou no O Globo e Folha de S. Paulo. Autor de livros sobre música popular está lançando em 2017 Meu menino vadio - A história de um garoto autista e seu pai estranho.)

Tatiana Henrique / Divulgação
A VIVÊNCIA DE UMA MÃE - Tatiana Henrique
Tatiana Henrique vai relatar um pouco da sua vivência cotidiana como mãe de um filho autista, trazendo também uma reflexão sobre a sua experiência com este público quando atuou como educadora de museus e escola. (Atriz, formada pela Escola Técnica de Teatro Martins Pena. Mestra em Memória Social, na UniRio, licenciada em Letras, pela UNESA. Atua com Contação de Histórias há 15 anos.)

Ação de acolhimento e conscientização na rotunda do CCBB
Data: 02 a 10 de abril. Horário: 09h às 18h
Público alvo: Pessoas autistas e seus familiares/responsáveis. Três ações educativas fazem transformam o térreo do CCBB em um espaço de sensibilização e troca de informações.

O corpo macio: Na rotunda criaremos espaços “lounges” com tapetes e almofadas com formas de partes do corpo. Além de poderem brincar, deitar e sentir as texturas do material, este público poderá a partir das formas corporais dos objetos, fazer a relação de conhecimento com o seu próprio corpo. De uma maneira prazerosa e divertida, essas almofadas são objetos mediadores que constroem uma consciência corporal em que participa da ação. 

Você sabia? O autismo é uma realidade que vem sendo cada vez mais estudada. O modo de vida das pessoas com autismo ainda é pouco conhecido, gerando preconceito e consequente limitação à essas pessoas e suas famílias e cuidadores. A ação Você Sabia? trará para as pessoas que tiveram pouco ou nenhum contato com esta realidade, informações que servirão para expandir o olhar do público diante deste tema tão importante e cada vez mais urgente.

Que sensação tem? Imagine se pudéssemos experimentar a sensação de um corpo que viaja pela lua, ou consegue encolher a ponto de caber dentro de um formigueiro ou ser leve a ponto de ser carregado pelas nuvens? Nesta atividade, a brincadeira é sentir diferentes silhuetas corporais feitos de materiais que possam transmitir a sensorialidade inventiva de espaços inusitados ao nosso cotidiano. A partir do mistério, uma grande parede com portas e gavetas irá despertar a curiosidade do público que ao abri-las, irá encontrar grandes possibilidades de experimentações sensoriais.

Visitas agendadas: Durante os dias da semana que vão do de 2 ao dia 10 de abril, o Programa Educativo do CCBB irá oferecer horários de agendamento para instituições que atendam esse público bem como escolas com turma de inclusão de autistas nas exposições “Entre nós - A figura humana no acervo do MASP e a Reinvenção da Pintura do artista brasileiro Abraham Palatnik.
05 de abril - 10:00 e 15:00
7 de abril - 10:00 e 15:00
10 de abril - 10:00 e 15:00

Contação de histórias: A contação visa elaborar conceitos presentes nas exposições em cartaz a partir da narrativa e da oralidade, apresentando uma outra forma possível ao público de se relacionar com o conteúdo conceitual e artístico trazido pela exposição em residência. A atividade trabalha também o patrimônio imaterial brasileiro, pesquisando e divulgando nossos contos tradicionais e o imaginário popular e sua tessitura oral. Datas: 02, 08 e 09 de abril - 11h e 16h. 03, 05, 06 e 07 – 13h e 17h.

Livro Vivo: A atividade busca a interação com o espaço da biblioteca, desenvolvendo a relação dos visitantes com o objeto livro, além do ato de ouvir e contar  histórias, estimulando o interesse pela leitura. Datas: 02, 08 e 09 de abril. Horário: 13 e 17h.

Musicando: Atividade de música voltada para a interação, sensorialidade e diversão dos participantes. O tema da atividade será baseado na exposição “Entre Nós - A figura humana no acervo do MASP” sendo a figura humana e o corpo os elementos chave da experimentação.
Datas: 02, 08 e 09 de abril. orário: 14h.

Agendamento CCBB Educativo - 21 38082070 /38082254


Postagens mais visitadas deste blog

RJ: Reame busca padrinhos afetivos para jovens preteridos da adoção

Instituição garante que referência familiar para convívio e autonomia social é algo fundamental e transformador

Situado em São Gonçalo e parceiro da nacionalmente reconhecida ONG Quintal de Ana, o Reame procura por padrinhos afetivos (presenciais, para aconselhamento e tutoria) a menores órfãos ou privados pela Justiça do convívio com a própria família. Ao alcance da maioria dos filantropos e dos bem intencionados, o programa propõe aos padrinhos doar tutoria e afeto a uma criança ou adolescente com menor probabilidade de adoção (acima de oito anos de idade) ou mesmo de reinserção em sua família verdadeira - dando-lhe, assim, referência familiar e autonomia social. Mais do que apoio financeiro, buscam-se altruístas que doem  presença e carinho.
"Quanto mais velho menor a procura por adoção. E se a reinserção familiar não é possível, o apadrinhamento afetivo torna-se o elo do tutelado com a sociedade. Trabalhamos na criança sua expectativa e ansiedade quanto a ter uma família, ir…

Norton: 5 dicas para que as crianças joguem Pokémon Go em segurança

Jogo é febre mundial e foi lançado ontem no País, conheça os perigos reais aos pequenos

Pokémon Go foi lançado no Brasil após muita espera de seus fãs, pessoas de todas as idades que estavam ansiosas para capturar seus próprios “monstrinhos de bolso”. O jogo utiliza a realidade aumentada e a localização geográfica (GPS) para transportar a pessoa para o universo do desenho, usando o mundo real. O objetivo do jogador é caminhar para encontrar os Pokémons e outros itens. Apesar de muito divertido, o jogo oferece perigos virtuais e reais, principalmente para as crianças. 
Veja abaixo 5 dicas que o engenheiro de segurança da Norton, Nelson Barbosa, listou para os pais orientarem seus filhos:
1. Cuidado com estranhos. O jogo envolve interação com outros jogadores na vida real, em áreas chamadas de ginásios e Pokéstops. Neste locais ocorrem as batalhas entre Pokémons e a compra dos itens, respectivamente. Os criminosos podem se aproveitar disso para roubar as vítimas. Por isto, caso não possa…

Coluna Inclusiva: Nanismo dentre as Leis de conscientização e ação

Por Gisele Rocha*


A comunidade da pessoa com nanismo no Rio de Janeiro, teve um encontro de gratidão. A presidente da Associação de Nanismo do Estado, Kenia Maria Rio se encontrou com a Deputada Daniele Guerreiro, em seu gabinete, que elaborou o Projeto de Lei, que institui o Dia Estadual do Nanismo. Em meio às emoções, a presidente agradeceu pela sensibilidade e dedicação da parlamentar, ao instituir a lei.
No Brasil são cerca de 400 tipos de nanismo e não existem planos de ação para combater o preconceito, nem para dar mais qualidade de vida a essas pessoas. Com o decreto 5.296, o nanismo é considerado deficiência no país, desde 2004, e considerados “anão ou anã” o individuo com até 1,45 metros.
A garantia dos direitos da pessoa com nanismo está assegurada por lei, mas quanto à conscientização de fato, já é outra história, na prática não funciona. As leis que estão sendo sancionadas pelo Brasil a fora serve para o combate ao preconceito, ao bullyng nas escolas, a ridicularização na …