Pular para o conteúdo principal

5 motivos para o médico ir até você, evitando filas de espera e desafogando o sistema de saúde

Aplicativos home care oferecem serviços no local onde o paciente estiver


A tecnologia apresenta um papel importante na saúde: unir acessibilidade para atender uma grande demanda de usuários que necessitam de um atendimento rápido, com eficácia e qualidade. Por causa da falta de tempo ou por não ter mais planos de saúde, mais pessoas aderem aos apps, que oferecem conforto e personalização, remetendo ao conceito do “médico da família”

Veja cinco dicas que o aplicativo Easy Care Saúde recomenda:

1 - Previne o contato com outros pacientes: Um atendimento privado evita o contato com outros doentes e bactérias. De acordo com dados Organização Mundial da Saúde (OMS), as infecções hospitalares atingem cerca de 14% dos pacientes internados no Brasil. Por mais que os hospitais sigam normas de segurança, tomar medidas de precaução protege você e os demais pacientes.

2 - Mais bem-estar: Estudos realizados pelo Ministério da Saúde comprovam que o bem-estar, relacionamento contínuo com o mesmo médico e a atenção familiar, são grandes aliados na recuperação do paciente. Isso acontece pelo fato do ambiente familiar trazer mais segurança e estimulação, o que contribui na recuperação do doente.

3 - Sem filas de espera no PS: Segundo o Conselho Federal de Medicina, a superlotação nas emergências dos hospitais do SUS no Brasil é o principal motivo que causa o atraso no diagnóstico e tratamento na rede pública.

Por meio do sistema de geolocalização, o aplicativo da Easy Care Saúde, localiza o profissional mais próximo que melhor se enquadra à patologia do paciente. Em poucos minutos, o médico estará no local em que o paciente determinou (casa, escritório, hotel) para examiná-lo e fazer as prescrições necessárias. Se o profissional perceber que o caso é mais grave, ele mesmo já indica a remoção para um hospital. A Easy Care Saúde pode, inclusive, providenciar a ambulância e a remoção para um hospital.

4 - Tecnologia a seu favor: Hoje no Brasil há quase 260 milhões de aparelhos celulares ativos. Os aplicativos de saúde trouxeram mais conforto e conveniência através de serviços que disponibilizam assistência médica e equipes acessíveis 24 horas por dia, sete dias por semana, com rapidez e praticidade, onde quer que o paciente esteja. Além disso, proporciona o acompanhamento remoto desde o agendamento de consultas e exames até o controle total da operação: resultados de diagnósticos, armazenamento de dados, controle e rastreabilidade do atendimento, relatórios gerenciais com os registros da operação, tudo para trazer mais segurança e acessibilidade ao usuário. Ou seja, é assistência médica na palma da mão.

5 - Atendimento humanizado: Um estudo realizado pela ANS (Agência Nacional de Saúde), mostra que uma das principais queixas na rede pública é referente à rapidez com que os médicos realizam o atendimento. Muitas vezes não é questionado ao paciente o seu histórico clínico e hábitos ou sintomas. Em alguns casos, a consulta termina sem nenhuma recomendação médica.

Tatiana Giatti
Ciente dessa falta de suporte, startups trabalham contra essa realidade, apostando em profissionais atenciosos, criando um atendimento personalizado.  “O médico é quem irá ao encontro do paciente para examiná-lo, prescrever os medicamentos necessários ou aconselhar a remoção para um hospital, se for um caso mais grave”, exemplifica Tatiana Giatti, diretora de Marketing da Easy Care Saúde.



Fonte: virta.inf.br

Fotos: Divulgação

Postagens mais visitadas deste blog

RJ: Reame busca padrinhos afetivos para jovens preteridos da adoção

Instituição garante que referência familiar para convívio e autonomia social é algo fundamental e transformador

Situado em São Gonçalo e parceiro da nacionalmente reconhecida ONG Quintal de Ana, o Reame procura por padrinhos afetivos (presenciais, para aconselhamento e tutoria) a menores órfãos ou privados pela Justiça do convívio com a própria família. Ao alcance da maioria dos filantropos e dos bem intencionados, o programa propõe aos padrinhos doar tutoria e afeto a uma criança ou adolescente com menor probabilidade de adoção (acima de oito anos de idade) ou mesmo de reinserção em sua família verdadeira - dando-lhe, assim, referência familiar e autonomia social. Mais do que apoio financeiro, buscam-se altruístas que doem  presença e carinho.
"Quanto mais velho menor a procura por adoção. E se a reinserção familiar não é possível, o apadrinhamento afetivo torna-se o elo do tutelado com a sociedade. Trabalhamos na criança sua expectativa e ansiedade quanto a ter uma família, ir…

Norton: 5 dicas para que as crianças joguem Pokémon Go em segurança

Jogo é febre mundial e foi lançado ontem no País, conheça os perigos reais aos pequenos

Pokémon Go foi lançado no Brasil após muita espera de seus fãs, pessoas de todas as idades que estavam ansiosas para capturar seus próprios “monstrinhos de bolso”. O jogo utiliza a realidade aumentada e a localização geográfica (GPS) para transportar a pessoa para o universo do desenho, usando o mundo real. O objetivo do jogador é caminhar para encontrar os Pokémons e outros itens. Apesar de muito divertido, o jogo oferece perigos virtuais e reais, principalmente para as crianças. 
Veja abaixo 5 dicas que o engenheiro de segurança da Norton, Nelson Barbosa, listou para os pais orientarem seus filhos:
1. Cuidado com estranhos. O jogo envolve interação com outros jogadores na vida real, em áreas chamadas de ginásios e Pokéstops. Neste locais ocorrem as batalhas entre Pokémons e a compra dos itens, respectivamente. Os criminosos podem se aproveitar disso para roubar as vítimas. Por isto, caso não possa…

Coluna Inclusiva: Nanismo dentre as Leis de conscientização e ação

Por Gisele Rocha*


A comunidade da pessoa com nanismo no Rio de Janeiro, teve um encontro de gratidão. A presidente da Associação de Nanismo do Estado, Kenia Maria Rio se encontrou com a Deputada Daniele Guerreiro, em seu gabinete, que elaborou o Projeto de Lei, que institui o Dia Estadual do Nanismo. Em meio às emoções, a presidente agradeceu pela sensibilidade e dedicação da parlamentar, ao instituir a lei.
No Brasil são cerca de 400 tipos de nanismo e não existem planos de ação para combater o preconceito, nem para dar mais qualidade de vida a essas pessoas. Com o decreto 5.296, o nanismo é considerado deficiência no país, desde 2004, e considerados “anão ou anã” o individuo com até 1,45 metros.
A garantia dos direitos da pessoa com nanismo está assegurada por lei, mas quanto à conscientização de fato, já é outra história, na prática não funciona. As leis que estão sendo sancionadas pelo Brasil a fora serve para o combate ao preconceito, ao bullyng nas escolas, a ridicularização na …