Pular para o conteúdo principal

Jogos educativos e supervisão de um adulto ajudam a evitar assédio contra crianças na web


Divulgação
A notícia sobre o “jogo” Baleia Azul, que incita crianças e adolescentes a cometerem o suicídio após “cumprirem” 50 etapas, voltou a assombrar a todos, especialmente pais de crianças que têm acesso a internet. Acreditar que frear o acesso dos pequenos a internet é uma ilusão, mas é preciso, sim, delimitar o conteúdo que podem visualizar. 

Eliandro Maurat, idealizador do Clubinho Salva Vidas, uma plataforma de jogos digitais educativos, lembra que, embora se ache muitos sites direcionados para crianças, um grande número desses tem associação a jogos com armas, competições e histórias de fundo muitas vezes inapropriadas para quem ainda não tem a personalidade formada. “É preciso afastar o máximo possível as crianças de conteúdo violento, mesmo quando parecem jogos inocentes. Jogos que desafiam o tempo todo são legais, mas depois que nos tornamos adultos e temos maturidade para diferenciar o real do imaginário”, comenta.

Os jogos do Clubinho Salva Vidas, têm sempre uma imagem lúdica, que faz a criança saber que aquele ambiente não é real. E também faz os pequenos pensarem em como agir em várias situações “Jogos não precisam ter violência. A criança não precisa ser desafiada, se colocando em risco. Quando a gente faz um jogo onde o objetivo é salvar um animal, ou conter um vazamento de água, estamos entretendo, mas também ensinando a praticar o bem, enchendo a cabecinha deles de informações que farão a diferença em suas vidas e de todos no futuro. Porém, ao deixar os filhos diante de qualquer conteúdo que não seja muito bem analisado, e que pode parecer inofensivo, podemos estar aguçando a imaginação de forma errada, com temas graves, que não devem fazer parte do cotidiano deles por enquanto.”, avalia.


Postagens mais visitadas deste blog

RJ: Reame busca padrinhos afetivos para jovens preteridos da adoção

Instituição garante que referência familiar para convívio e autonomia social é algo fundamental e transformador

Situado em São Gonçalo e parceiro da nacionalmente reconhecida ONG Quintal de Ana, o Reame procura por padrinhos afetivos (presenciais, para aconselhamento e tutoria) a menores órfãos ou privados pela Justiça do convívio com a própria família. Ao alcance da maioria dos filantropos e dos bem intencionados, o programa propõe aos padrinhos doar tutoria e afeto a uma criança ou adolescente com menor probabilidade de adoção (acima de oito anos de idade) ou mesmo de reinserção em sua família verdadeira - dando-lhe, assim, referência familiar e autonomia social. Mais do que apoio financeiro, buscam-se altruístas que doem  presença e carinho.
"Quanto mais velho menor a procura por adoção. E se a reinserção familiar não é possível, o apadrinhamento afetivo torna-se o elo do tutelado com a sociedade. Trabalhamos na criança sua expectativa e ansiedade quanto a ter uma família, ir…

Combata os males do século com os benefícios da homeopatia

Depressão, ansiedade, angústia e fobias podem ser tratadas com esta terapia que equilibra o corpo e a alma

Vivemos em um mundo onde tudo é “para ontem” e temos de nos desdobrar para darmos conta de todos os afazeres diários. E quando se trata das mulheres, em que a jornada de trabalho é dupla (ou tripla), não há como manter uma rotina equilibrada e com qualidade de vida. Assim, há quem recorra às terapias tradicionais, onde psicólogos e psiquiatras dão diretrizes e medicamentos para conter os malefícios deste cotidiano turbulento. Porém, e quem rejeita esta solução?

A homeopatia é uma das saídas para diversas situações. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que o Brasil é o país com mais pessoas depressivas na América Latina, em torno de 5,8% da população. Este número comprova que 11,5 mil brasileiros sofrem desta doença. E assim como a depressão, Eliete M. M. Fagundes, coordenadora do curso tradicional de Formação em Ciência da Homeopatia do Instituto Tecnológico Hahne…

Doutores de Esperança recebem novos voluntários em Volta Redonda, na região Sul Fluminense

Volta Redonda, RJ. O grupo de humanização hospitalar "Viver de Rir - Doutores de Esperança", projeto da ADRA (Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais), promoveu na noite do último sábado uma cerimônia de formatura para os 100 voluntários da 6ª turma. O encontro aconteceu na Igreja Adventista do Sétimo Dia, em Volta Redonda. O projeto, que começou com dois trios de voluntários, hoje reúne mais de 150 pessoas. 
Treinos intensos, palestra sobre ética no voluntariado, capacitações diversas sobre conduta hospitalar e biosegurança, iniciação a palhaçaria, personagem, make up e figurino, visitas em hospitais e asilos. Para ser um voluntário do grupo, é preciso ter muita força de vontade e amor ao próximo, pois os trabalhos são realizados aos sábados e domingos. Os Doutores de Esperança já estão conhecidos na região Sul Fluminense por "especialistas em despertar sorrisos e emoções", além de colaborarem na recuperação dos pacientes.
O mais novo integr…