Pular para o conteúdo principal

Projeto Pérolas auxilia mulheres com câncer de mama a reencontrarem sua autoestima




Fundada no município de Niterói em 2014, o Projeto Pérolas atende a mulheres em diferentes fases do tratamento do câncer – mulheres que tiveram sua imagem corporal modificada sem sua vontade e que precisam de ajuda na reconstrução de sua autoestima; mulheres que já passaram pelo tratamento e que estão sentindo depressão; mulheres em início de tratamento que não sabem o que esperar.

Isso acontece através da junção de atividades integradas e gratuitas que mexem profundamente com o corpo emocional e psicológico das mulheres com câncer, de forma positiva, a fim de proporcionar uma melhor qualidade de vida.

O primeiro contato das mulheres com o projeto é através da inserção em um grupo no whatsapp, composto por outras mulheres que estão vivendo a mesma situação. Nesse grupo há grande interação entre elas, dúvidas são tiradas, emoções compartilhadas.

O segundo passo é a realização de ensaios fotográficos profissionais gratuitos com as moças que desejam participar. Uma equipe integrada e feminina formada por dez profissionais - uma produtora, uma assistente de produção, três fotógrafas, duas maquiadoras, duas vídeo makers e uma professora de expressão corporal – é formada para a realização de ensaios fotográficos para até oito mulheres. 



Ao longo do dia, várias atividades são realizadas com o intuito de fazê-las entrarem em contato com sua autoestima e amor próprio – começando com uma roda de conversa, onde todas as mulheres se apresentam, seguindo com uma aula de expressão corporal. Depois, de duas em duas, as modelos são maquiadas e fotografadas e no final, contam suas experiências pessoais e dão depoimentos de como estão se sentindo, em vídeo.

Paralelamente, são oferecidos grupos de terapia no Rio de Janeiro e em Niterói. Os encontros são realizados semanalmente, com a psicóloga Luana Chagas, no Rio, e a psicanalista Jane Portugal, em Niterói, com supervisão da psico-oncologista Dra. Marília Zendron.

O projeto tem como intuito criar um centro integrado a mulheres diagnosticadas com câncer, estimulando a sonoridade e o empoderamento feminino através de atividades que promovam o bem emocional nelas. Todas as atividades são gratuitas.

Até aqui, o grupo tem feito todo esse trabalho sem nenhum patrocínio, mas apenas com os recursos do apoio dado pelos amigos e pessoas que conhecem o trabalho. A ideia é continuar a crescer e a poder oferecer qualidade de vida emocional às mulheres com câncer e, para isso, o Projeto Pérolas precisa se tornar uma ONG. Dessa forma, com um CNPJ e devidamente legalizados, poderão buscar o patrocínio de empresas.



O protejo tem sido muito divulgado e esse sucesso se dá porque tudo é feito com amor. Mulheres diagnosticadas com câncer, de todo o Brasil, têm procurado o Projeto, porque têm indicações de amigas que já participaram ou até mesmo de médicos do INCA. Então, para continuar esse trabalho, sempre gratuito, o grupo precisa arrecadar fundos para se tornar uma ONG e, dessa forma, levar esse trabalho de amor a muito mais mulheres pelo país.


Postagens mais visitadas deste blog

RJ: Reame busca padrinhos afetivos para jovens preteridos da adoção

Instituição garante que referência familiar para convívio e autonomia social é algo fundamental e transformador

Situado em São Gonçalo e parceiro da nacionalmente reconhecida ONG Quintal de Ana, o Reame procura por padrinhos afetivos (presenciais, para aconselhamento e tutoria) a menores órfãos ou privados pela Justiça do convívio com a própria família. Ao alcance da maioria dos filantropos e dos bem intencionados, o programa propõe aos padrinhos doar tutoria e afeto a uma criança ou adolescente com menor probabilidade de adoção (acima de oito anos de idade) ou mesmo de reinserção em sua família verdadeira - dando-lhe, assim, referência familiar e autonomia social. Mais do que apoio financeiro, buscam-se altruístas que doem  presença e carinho.
"Quanto mais velho menor a procura por adoção. E se a reinserção familiar não é possível, o apadrinhamento afetivo torna-se o elo do tutelado com a sociedade. Trabalhamos na criança sua expectativa e ansiedade quanto a ter uma família, ir…

Norton: 5 dicas para que as crianças joguem Pokémon Go em segurança

Jogo é febre mundial e foi lançado ontem no País, conheça os perigos reais aos pequenos

Pokémon Go foi lançado no Brasil após muita espera de seus fãs, pessoas de todas as idades que estavam ansiosas para capturar seus próprios “monstrinhos de bolso”. O jogo utiliza a realidade aumentada e a localização geográfica (GPS) para transportar a pessoa para o universo do desenho, usando o mundo real. O objetivo do jogador é caminhar para encontrar os Pokémons e outros itens. Apesar de muito divertido, o jogo oferece perigos virtuais e reais, principalmente para as crianças. 
Veja abaixo 5 dicas que o engenheiro de segurança da Norton, Nelson Barbosa, listou para os pais orientarem seus filhos:
1. Cuidado com estranhos. O jogo envolve interação com outros jogadores na vida real, em áreas chamadas de ginásios e Pokéstops. Neste locais ocorrem as batalhas entre Pokémons e a compra dos itens, respectivamente. Os criminosos podem se aproveitar disso para roubar as vítimas. Por isto, caso não possa…

Coluna Inclusiva: Nanismo dentre as Leis de conscientização e ação

Por Gisele Rocha*


A comunidade da pessoa com nanismo no Rio de Janeiro, teve um encontro de gratidão. A presidente da Associação de Nanismo do Estado, Kenia Maria Rio se encontrou com a Deputada Daniele Guerreiro, em seu gabinete, que elaborou o Projeto de Lei, que institui o Dia Estadual do Nanismo. Em meio às emoções, a presidente agradeceu pela sensibilidade e dedicação da parlamentar, ao instituir a lei.
No Brasil são cerca de 400 tipos de nanismo e não existem planos de ação para combater o preconceito, nem para dar mais qualidade de vida a essas pessoas. Com o decreto 5.296, o nanismo é considerado deficiência no país, desde 2004, e considerados “anão ou anã” o individuo com até 1,45 metros.
A garantia dos direitos da pessoa com nanismo está assegurada por lei, mas quanto à conscientização de fato, já é outra história, na prática não funciona. As leis que estão sendo sancionadas pelo Brasil a fora serve para o combate ao preconceito, ao bullyng nas escolas, a ridicularização na …