Pular para o conteúdo principal

Coluna Inclusiva: Nanismo dentre as Leis de conscientização e ação

Por Gisele Rocha*



A comunidade da pessoa com nanismo no Rio de Janeiro, teve um encontro de gratidão. A presidente da Associação de Nanismo do Estado, Kenia Maria Rio se encontrou com a Deputada Daniele Guerreiro, em seu gabinete, que elaborou o Projeto de Lei, que institui o Dia Estadual do Nanismo. Em meio às emoções, a presidente agradeceu pela sensibilidade e dedicação da parlamentar, ao instituir a lei.

No Brasil são cerca de 400 tipos de nanismo e não existem planos de ação para combater o preconceito, nem para dar mais qualidade de vida a essas pessoas. Com o decreto 5.296, o nanismo é considerado deficiência no país, desde 2004, e considerados “anão ou anã” o individuo com até 1,45 metros.

A garantia dos direitos da pessoa com nanismo está assegurada por lei, mas quanto à conscientização de fato, já é outra história, na prática não funciona. As leis que estão sendo sancionadas pelo Brasil a fora serve para o combate ao preconceito, ao bullyng nas escolas, a ridicularização na mídia em programas sensacionalistas, incentivo a inclusão, saúde e acessibilidade.

Nada é pensado para os anões. È só andar pela rua que vimos à dificuldade que eles enfrentam, assim como para qualquer tipo de deficiência. Precisamos mudar tais pensamentos e culturas, através das leis, mas não só no papel, e sim com ações e atitudes, e nada melhor do que a própria pessoa para fiscalizar e cobrar das autoridades competentes, denunciando abusos e fazendo valer seus direitos.



*Gisele Rocha, 29 anos, Jornalista, presidente da Inclusiva Comunicação e Assessora de Imprensa da Secretaria da Pessoa com Deficiência e dos Idosos de Mesquita- RJ. Casada, mãe da Anna Beatriz (6) e da Luiza Vitória (4), a última com deficiência, Displasia Diástrofica (caso raro de nanismo). Quem quiser dar alguma opinião ou indicar algum assunto pode enviar um email para inclusivacomunicacao@gmail.com

Postagens mais visitadas deste blog

RJ: Reame busca padrinhos afetivos para jovens preteridos da adoção

Instituição garante que referência familiar para convívio e autonomia social é algo fundamental e transformador

Situado em São Gonçalo e parceiro da nacionalmente reconhecida ONG Quintal de Ana, o Reame procura por padrinhos afetivos (presenciais, para aconselhamento e tutoria) a menores órfãos ou privados pela Justiça do convívio com a própria família. Ao alcance da maioria dos filantropos e dos bem intencionados, o programa propõe aos padrinhos doar tutoria e afeto a uma criança ou adolescente com menor probabilidade de adoção (acima de oito anos de idade) ou mesmo de reinserção em sua família verdadeira - dando-lhe, assim, referência familiar e autonomia social. Mais do que apoio financeiro, buscam-se altruístas que doem  presença e carinho.
"Quanto mais velho menor a procura por adoção. E se a reinserção familiar não é possível, o apadrinhamento afetivo torna-se o elo do tutelado com a sociedade. Trabalhamos na criança sua expectativa e ansiedade quanto a ter uma família, ir…

Coluna Inclusiva: 1º Congresso Brasileiro de Nanismo é confirmado no Rio de Janeiro

Conscientizar pessoas a favor de pessoas 
*Por Gisele Rocha




Pensei em mudar minha coluna e falar de um novo assunto, mas semana passada foi confirmado o 1º Congresso Brasileiro de Nanismo. Não preciso falar da minha satisfação em anunciar essa notícia. O nanismo no Brasil, apesar de ser muito comum, muitas pessoas não sabem como chamá-los, como lhe dar com a situação. O Congresso será uma peça fundamental para consolidar o nosso espaço de uma vez por todas.
Não vamos passar despercebidos, ou como atrações mais de nada, precisamos da nossa identidade, precisamos que a sociedade entenda que ter nanismo é só uma questão de estatura, pois somos grandes em tudo que fazemos, somos fotógrafos, donas de casa, crianças, advogadas, estilistas, artesãs, somos homossexuais, trans, negros, mães, amantes, homens, mulheres, médicos, artistas, somos artistas de circo também, profissão digna e de muito orgulho.

O preconceito está nos olhos e na cabeça de quem ver e de quem tem ignorância o bastante pa…