Pular para o conteúdo principal

RJ: Hospital Estadual da Mulher inaugura banco de leite que irá beneficiar bebês prematuros

O serviço funcionará de segunda a sexta-feira entre 8h e 17h



O Hospital Estadual da Mulher Heloneida Studart (HEMHS) inaugurou nesta quinta-feira, dia 19, o seu banco de leite humano (BLH). O espaço foi especialmente preparado para receber as mamães e irá contar com recepção, consultório médico, serviço de coleta externa, três salas para ordenha, equipamentos para pasteurização, armazenamento e distribuição de leite e laboratório de análise microbiológica. A equipe é composta por clínico e pediatra, nutricionista, enfermeira e técnicos de enfermagem está pronta para trabalhar e o funcionamento será de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

- Conseguir inaugurar um serviço como esse num momento em que o país e o Estado passam por uma crise é resultado da dedicação e do comprometimento dos profissionais do Hospital da Mulher e da Secretaria de Estado de Saúde. Estamos aqui para salvar vidas e o leite materno é fundamental para o desenvolvimento dos bebês que estão em tratamento – disse o secretário de Estado de Saúde, Luiz Antônio Teixeira Jr.

Estima-se que, por mês, sejam beneficiados dezenas de bebês, já que o HEMHS é referência no estado no atendimento de gestante e aos recém-nascidos de alto risco e dispõe de 49 leitos de UTI e UI Neonatal. Os pequenos, até então, eram alimentados com fórmula láctea, quando as mães não tinham possibilidade de amamentarem. A expectativa é que o banco de leite pasteurize mensalmente 10 litros de leite humano, podendo chegar a 50 litros.

- Nos primeiros meses de vida, não há alimento melhor e mais completo para o bebê que o leite materno. Além de suprir todas as necessidades nutricionais, ele ainda ajuda na formação do sistema imunológico; previne alergias e intolerâncias, entre muitas outras vantagens que podem fazer toda a diferença no desenvolvimento da criança. Mas o banco de leite também faz bem às mães, nesse momento tão delicado de preocupação extrema com a saúde de seus pequenos, a frustração daquelas impossibilitadas de amamentar fica amenizada. Assim, o banco de leite fortalecerá o vínculo entre mãe e filho – explica o diretor da unidade, Helton Setta.

A técnica de enfermagem Natália Alves, 30 anos, deu à luz Gabriel no dia 8 de maio. Como a mãe teve diabetes gestacional, o bebê apresentou nos primeiros dias de vida hipoglicemia e precisou ficar na UI Neonatal e não pode sugar o leite direto do peito da mãe. Quando fazia a ordenha para o filho, Natália foi convidada para ser a primeira mãe doadora do banco de leite do Hospital da Mulher.

- Nestes dias em que estou internada no hospital, conversei com várias mães que não conseguiram produzir leite para amamentar seus filhos e isso as deixou tristes. Estou produzindo leite em grande quantidade e me sinto muito feliz em poder ajudar. Tudo o que pudermos fazer para salvar vidas, vale a pena e é muito gratificante – descreveu Natália, emocionada.

Os Bancos de Leite Humano (BLH) são iniciativas públicas vinculadas a hospitais infantis e maternidades, responsáveis por promover o aleitamento materno e executar as atividades de coleta, controle de qualidade, pasteurização e distribuição do leite pasteurizado.

Em um segundo momento, o Hospital da Mulher iniciará a coleta de leite de mães doadoras que estejam fora da unidade. Para isso, foi criado o Disque Banco de Leite (21) 2651-9675, número no qual as mães poderão tirar dúvidas sobre como fazer a retirada e o armazenamento do leite em casa. Um carro fará a coleta nas residências.

Crédito das fotos: Everton Barsan

Postagens mais visitadas deste blog

RJ: Reame busca padrinhos afetivos para jovens preteridos da adoção

Instituição garante que referência familiar para convívio e autonomia social é algo fundamental e transformador

Situado em São Gonçalo e parceiro da nacionalmente reconhecida ONG Quintal de Ana, o Reame procura por padrinhos afetivos (presenciais, para aconselhamento e tutoria) a menores órfãos ou privados pela Justiça do convívio com a própria família. Ao alcance da maioria dos filantropos e dos bem intencionados, o programa propõe aos padrinhos doar tutoria e afeto a uma criança ou adolescente com menor probabilidade de adoção (acima de oito anos de idade) ou mesmo de reinserção em sua família verdadeira - dando-lhe, assim, referência familiar e autonomia social. Mais do que apoio financeiro, buscam-se altruístas que doem  presença e carinho.
"Quanto mais velho menor a procura por adoção. E se a reinserção familiar não é possível, o apadrinhamento afetivo torna-se o elo do tutelado com a sociedade. Trabalhamos na criança sua expectativa e ansiedade quanto a ter uma família, ir…

Norton: 5 dicas para que as crianças joguem Pokémon Go em segurança

Jogo é febre mundial e foi lançado ontem no País, conheça os perigos reais aos pequenos

Pokémon Go foi lançado no Brasil após muita espera de seus fãs, pessoas de todas as idades que estavam ansiosas para capturar seus próprios “monstrinhos de bolso”. O jogo utiliza a realidade aumentada e a localização geográfica (GPS) para transportar a pessoa para o universo do desenho, usando o mundo real. O objetivo do jogador é caminhar para encontrar os Pokémons e outros itens. Apesar de muito divertido, o jogo oferece perigos virtuais e reais, principalmente para as crianças. 
Veja abaixo 5 dicas que o engenheiro de segurança da Norton, Nelson Barbosa, listou para os pais orientarem seus filhos:
1. Cuidado com estranhos. O jogo envolve interação com outros jogadores na vida real, em áreas chamadas de ginásios e Pokéstops. Neste locais ocorrem as batalhas entre Pokémons e a compra dos itens, respectivamente. Os criminosos podem se aproveitar disso para roubar as vítimas. Por isto, caso não possa…

Coluna Inclusiva: Nanismo dentre as Leis de conscientização e ação

Por Gisele Rocha*


A comunidade da pessoa com nanismo no Rio de Janeiro, teve um encontro de gratidão. A presidente da Associação de Nanismo do Estado, Kenia Maria Rio se encontrou com a Deputada Daniele Guerreiro, em seu gabinete, que elaborou o Projeto de Lei, que institui o Dia Estadual do Nanismo. Em meio às emoções, a presidente agradeceu pela sensibilidade e dedicação da parlamentar, ao instituir a lei.
No Brasil são cerca de 400 tipos de nanismo e não existem planos de ação para combater o preconceito, nem para dar mais qualidade de vida a essas pessoas. Com o decreto 5.296, o nanismo é considerado deficiência no país, desde 2004, e considerados “anão ou anã” o individuo com até 1,45 metros.
A garantia dos direitos da pessoa com nanismo está assegurada por lei, mas quanto à conscientização de fato, já é outra história, na prática não funciona. As leis que estão sendo sancionadas pelo Brasil a fora serve para o combate ao preconceito, ao bullyng nas escolas, a ridicularização na …