sábado, 14 de maio de 2016

Consumo de transgênicos cultivados com o uso de herbicida pode ser prejudicial à saúde

São Paulo, SP. A indústria modifica geneticamente determinados alimentos para que os mesmos tornem-se resistentes, dentro outros fatores, a herbicidas e pesticidas (agrotóxicos), ou seja, são modificados para que tal alimento não morra com essas substâncias. Essas substâncias servem para matar insetos e outras formas de vida, com a exceção do próprio alimento modificado e resistente ao veneno, o qual o absorve, e é colhido e vendido para a população.

O Brasil está em primeiro lugar no ranking mundial de uso dessas substâncias, fazendo com que cada brasileiro consuma em média 5,2 litros de pesticidas por ano, tendo sido identificadas regiões que chegam a 120 litros por pessoa por ano. Com o passar dos anos as pestes agrícolas vêm tornando-se mais resistentes aos herbicidas e pesticidas, o que consequentemente faz com que as doses aplicadas sejam cada vez maiores.

Segundo Giovana Baldissera, nutricionista em São Paulo , isso pode ter um impacto negativo em nossa saúde.

"Inúmeros estudos com os GMOs e os herbicidas apresentam resultados com consequências alarmantes, como o unânime desenvolvimento de tumores em animais submetidos ao consumo de Glifosato (classificado pela OMS como provavelmente/potencialmente cancerígeno) Roundup®, da empresa Monsanto. Além de causarem danos à estrutura de nosso DNA, foram observados desequilíbrios hormonais com consequências diretas e graves sobre o sistema reprodutor, comprometimento neurológico e desenvolvimento de Parkinson e transtornos mentais." relata a nutricionista em seu artigo .

Enquanto diversos movimentos, manifestações, votações, projetos de lei tentam fazer frente a esse assunto, a indústria move bilhões de dólares para impedir as pessoas de saberem o que estão comendo. A lógica é de que se as pessoas souberem onde as substâncias venenosas estão, deixariam de consumir esses alimentos.

Na Noruega, por exemplo, há uma lei que determina que “não é permitido produzir nem comercializar alimentos que contenham qualquer tipo de substância que ofereça qualquer tipo de risco à saúde e/ou que comprometa a sustentabilidade e o meio ambiente”, incluindo o Glifosato. O Brasil ainda precisa avançar muito nesse sentido.

Alguns números e dados:

– Entre 2000 e 2012 houve um aumento de 288% na utilização de pesticidas no Brasil.
– Na última década, o mercado Brasileiro de agrotóxicos cresceu 2x mais que o mercado mundial.
– O Brasil é o país que mais utiliza agrotóxicos.

Fonte: www.andradenutricao.com.br/glifosato-transgenicos-o-que-voce-precisa-saber/