Pular para o conteúdo principal

Professora lança livro com informações sobre o déficit de atenção da hiperatividade

Autora aborda sintomas da doença e como lidar com ela em sala de aula

Motivada inicialmente a ajudar um aluno com comportamento diferenciado dos demais, Aline Santos, professora no Rio de Janeiro, escreveu o livroO Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade(TDAH). Nessa obra, ela aborda a doença a partir da história da educação e fala sobre a necessidade de inclusão dos alunos portadores. Para Aline, é preciso oferecer uma atenção especial aos que sofrem de TDAH, devido às dificuldades que o transtorno gera.

A professora argumenta em seu livro sobre a importância do educador na caminhada de uma criança ou adolescente diagnosticada com o TDAH. Com termos técnicos, mas, ao mesmo tempo, uma linguagem de fácil compreensão, a autora conta sobre os sintomas da doença e como lidar com ela em sala de aula, a partir de um olhar histórico.

Abordando conceitos da educação, Aline fez pesquisas de cunho bibliográfico para sua obra, tornando-a rica em informações. É uma leitura curta, porém, recheada de conhecimentos. O livro pode ajudar não só professores, mas também qualquer pessoa que conviva com algum portador do TDAH a lidar melhor com a situação.


Sobre a autora: Aline Oliveira dos Santos nasceu em Salvador, Bahia. É professora do Colégio Franciscano Sagrado Coração de Jesus e da Prefeitura Municipal de Cabo Frio, RJ. Se formou pela Universidade Veiga de Almeida, e atualmente cursa pós-graduação em Psicopedagogia na UCAMPROMINAS.

Postagens mais visitadas deste blog

RJ: Reame busca padrinhos afetivos para jovens preteridos da adoção

Instituição garante que referência familiar para convívio e autonomia social é algo fundamental e transformador

Situado em São Gonçalo e parceiro da nacionalmente reconhecida ONG Quintal de Ana, o Reame procura por padrinhos afetivos (presenciais, para aconselhamento e tutoria) a menores órfãos ou privados pela Justiça do convívio com a própria família. Ao alcance da maioria dos filantropos e dos bem intencionados, o programa propõe aos padrinhos doar tutoria e afeto a uma criança ou adolescente com menor probabilidade de adoção (acima de oito anos de idade) ou mesmo de reinserção em sua família verdadeira - dando-lhe, assim, referência familiar e autonomia social. Mais do que apoio financeiro, buscam-se altruístas que doem  presença e carinho.
"Quanto mais velho menor a procura por adoção. E se a reinserção familiar não é possível, o apadrinhamento afetivo torna-se o elo do tutelado com a sociedade. Trabalhamos na criança sua expectativa e ansiedade quanto a ter uma família, ir…

Norton: 5 dicas para que as crianças joguem Pokémon Go em segurança

Jogo é febre mundial e foi lançado ontem no País, conheça os perigos reais aos pequenos

Pokémon Go foi lançado no Brasil após muita espera de seus fãs, pessoas de todas as idades que estavam ansiosas para capturar seus próprios “monstrinhos de bolso”. O jogo utiliza a realidade aumentada e a localização geográfica (GPS) para transportar a pessoa para o universo do desenho, usando o mundo real. O objetivo do jogador é caminhar para encontrar os Pokémons e outros itens. Apesar de muito divertido, o jogo oferece perigos virtuais e reais, principalmente para as crianças. 
Veja abaixo 5 dicas que o engenheiro de segurança da Norton, Nelson Barbosa, listou para os pais orientarem seus filhos:
1. Cuidado com estranhos. O jogo envolve interação com outros jogadores na vida real, em áreas chamadas de ginásios e Pokéstops. Neste locais ocorrem as batalhas entre Pokémons e a compra dos itens, respectivamente. Os criminosos podem se aproveitar disso para roubar as vítimas. Por isto, caso não possa…

Coluna Inclusiva: Nanismo dentre as Leis de conscientização e ação

Por Gisele Rocha*


A comunidade da pessoa com nanismo no Rio de Janeiro, teve um encontro de gratidão. A presidente da Associação de Nanismo do Estado, Kenia Maria Rio se encontrou com a Deputada Daniele Guerreiro, em seu gabinete, que elaborou o Projeto de Lei, que institui o Dia Estadual do Nanismo. Em meio às emoções, a presidente agradeceu pela sensibilidade e dedicação da parlamentar, ao instituir a lei.
No Brasil são cerca de 400 tipos de nanismo e não existem planos de ação para combater o preconceito, nem para dar mais qualidade de vida a essas pessoas. Com o decreto 5.296, o nanismo é considerado deficiência no país, desde 2004, e considerados “anão ou anã” o individuo com até 1,45 metros.
A garantia dos direitos da pessoa com nanismo está assegurada por lei, mas quanto à conscientização de fato, já é outra história, na prática não funciona. As leis que estão sendo sancionadas pelo Brasil a fora serve para o combate ao preconceito, ao bullyng nas escolas, a ridicularização na …