Pular para o conteúdo principal

Febre Amarela: RJ solicita nova remessa de 350 mil doses de vacina


Estoque estratégico visa garantir o reabastecimento dos municípios: somadas as 350 mil doses já recebidas, RJ contará com total de 700 mil doses para abastecimento e ação de bloqueio


RJ. Uma nova remessa de 350 mil doses de vacina contra febre amarela foi solicitada pela Secretaria de Estado de Saúde nesta quarta-feira (25/1) ao Ministério da Saúde: o objetivo é manter o Estado abastecido, dispondo de um estoque estratégico para distribuição aos municípios. Somadas as 350 mil doses já recebidas, e que estão sendo entregues às prefeituras desde terça-feira (24/01), o RJ contará com 700 mil doses a serem utilizadas para ações de bloqueio e reposição de estoques municipais.
  
"É importante fazer uso racional da vacina e priorizar as áreas que realmente estão próximas aos focos de risco. Na semana passada, anunciamos a campanha de vacinação de bloqueio que estamos orientando em 16 municípios das regiões que fazem divisa com os estados de Minas Gerais e Espírito Santo. Trata-se de uma medida preventiva que estamos adotando, criando um cinturão de bloqueio para tentar evitar a entrada do vírus em nosso estado. É preciso que as pessoas compreendam que não há necessidade de vacinação em massa da nossa população, principalmente nas áreas mais urbanas e na Região Metropolitana, pois não há registro de casos da febre amarela urbana no país desde a década de 1940", detalhou Luiz Antônio Teixeira Jr., secretário de Estado de Saúde.

Nesta quinta-feira (26/01), técnicos da Subsecretaria de Vigilância em Saúde da SES estarão reunidos com secretarias municipais de Saúde dos locais onde será realizada a campanha de vacinação de bloqueio. Os municípios foram indicados com base na avaliação do cenário epidemiológico. São eles: Cantagalo, Carmo, Comendador Levy Gasparian, Bom Jesus do Itabapoana, Laje do Muriaé, Miracema, Natividade, Porciúncula, Santo Antônio de Pádua e Varre-Sai. Além destes, os municípios de Campos dos Goytacazes, São Francisco de Itabapoana, Itaperuna, Sapucaia, Três Rios e Paraíba do Sul terão localidades específicas para a imunização, não sendo recomendada a vacinação de toda a população destas cidades. Para toda a região, já estão sendo disponibilizadas 250 mil doses. Outras 100 mil vêm sendo repassadas às demais cidades do Estado, como forma de reforçar o estoque. 

"Estamos atuando em apoio aos municípios para fornecer todas as orientações para a ação de bloqueio recomendada pelo Estado. O público-alvo será formado pelos habitantes com idades a partir de 9 meses até os 60 anos, residentes nos municípios e localidades definidas pela secretaria para a ação. É essencial que os postos de saúde observem as contraindicações específicas para esta ação", complementou o subsecretário de Vigilância em Saúde da SES, Alexandre Chieppe.


As recomendações referentes às contraindicações específicas para esta vacinação de bloqueio estão sendo passadas pela SES aos municípios, não devendo afetar as orientações do Ministério da Saúde para as demais regiões.

Para esta ação específica, são contraindicações: gestantes, mulheres em fase de amamentação, pessoas com alergia a algum componente da vacina e alergia a ovos e derivados; pessoas com doença febril aguda, com comprometimento do estado geral de saúde; ou ainda pacientes com doenças que causam alterações no sistema de defesa (nascidas com a pessoa ou adquiridas), assim como terapias imunossupressoras – quimioterapia e doses elevadas de corticosteroides, por exemplo; indivíduos portadores de Lúpus Eritematoso Sistêmico ou com outras doenças autoimunes; pacientes que tenham apresentado doenças neurológicas de natureza desmielinizante (Síndrome de Guillain Barrè, ELA, entre outras) no período de seis semanas após a aplicação de dose anterior da vacina; pacientes transplantados de medula óssea; pacientes com histórico de doença do Timo; pacientes portadores de HIV; crianças menores de seis meses de idade.

Atenção especial às crianças – Crianças menores de dois anos de idade que não tenham sido vacinadas contra febre amarela não devem receber as vacinas tríplice viral ou tetra viral junto com a vacina contra FA. O intervalo entre as vacinas deve ser de 30 dias. Nesta campanha de bloqueio, não serão vacinadas bebês com idades abaixo de 9 meses de idade.

Imunização intensificada – A imunização da população nos municípios próximos às divisas das regiões onde há circulação do vírus da forma silvestre da febre amarela é uma precaução adotada pela SES. Não houve registro de casos autóctones (transmitidos dentro do estado) da doença nas últimas décadas no RJ, que não se configura como uma região endêmica para febre amarela. Portanto, não há recomendação para a vacinação da população em geral. A orientação é para que as pessoas que planejam viajar para áreas onde há comprovação da circulação do vírus procurem os postos de saúde para se vacinar com, pelo menos, dez dias de antecedência. A vacina está disponível durante todo o ano nos postos e unidades básicas de saúde e pode ser administrada a partir dos nove meses de idade, sendo válida por dez anos. Quem já se vacinou pela segunda vez - respeitando o intervalo de 10 anos - não deve se vacinar novamente, uma vez que a imunidade já estará garantida.

O que é febre amarela? – Há dois tipos de febre amarela – silvestre e urbana. As duas são causadas pelo mesmo vírus e causam a mesma doença, mas se diferem pelo vetor de transmissão. A urbana é transmitida pelo Aedes aegypti e, de acordo com o Ministério da Saúde, desde os anos 40, o Brasil não registra casos deste tipo da doença. Já a silvestre é transmitida pelos mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabeths, insetos de hábitos estritamente silvestres. A febre amarela silvestre é endêmica em algumas regiões do país, principalmente na região amazônica. Os sinais e sintomas mais comuns da doença são: febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos que duram, em média, três dias. Nas formas mais graves da doença, podem ocorrer icterícia (olhos e pele amarelados), insuficiências hepática e renal, manifestações hemorrágicas e cansaço intenso. Trata-se de uma doença infecciosa febril aguda, transmitida exclusivamente pela picada de mosquitos infectados.


Postagens mais visitadas deste blog

RJ: Reame busca padrinhos afetivos para jovens preteridos da adoção

Instituição garante que referência familiar para convívio e autonomia social é algo fundamental e transformador

Situado em São Gonçalo e parceiro da nacionalmente reconhecida ONG Quintal de Ana, o Reame procura por padrinhos afetivos (presenciais, para aconselhamento e tutoria) a menores órfãos ou privados pela Justiça do convívio com a própria família. Ao alcance da maioria dos filantropos e dos bem intencionados, o programa propõe aos padrinhos doar tutoria e afeto a uma criança ou adolescente com menor probabilidade de adoção (acima de oito anos de idade) ou mesmo de reinserção em sua família verdadeira - dando-lhe, assim, referência familiar e autonomia social. Mais do que apoio financeiro, buscam-se altruístas que doem  presença e carinho.
"Quanto mais velho menor a procura por adoção. E se a reinserção familiar não é possível, o apadrinhamento afetivo torna-se o elo do tutelado com a sociedade. Trabalhamos na criança sua expectativa e ansiedade quanto a ter uma família, ir…

Combata os males do século com os benefícios da homeopatia

Depressão, ansiedade, angústia e fobias podem ser tratadas com esta terapia que equilibra o corpo e a alma

Vivemos em um mundo onde tudo é “para ontem” e temos de nos desdobrar para darmos conta de todos os afazeres diários. E quando se trata das mulheres, em que a jornada de trabalho é dupla (ou tripla), não há como manter uma rotina equilibrada e com qualidade de vida. Assim, há quem recorra às terapias tradicionais, onde psicólogos e psiquiatras dão diretrizes e medicamentos para conter os malefícios deste cotidiano turbulento. Porém, e quem rejeita esta solução?

A homeopatia é uma das saídas para diversas situações. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que o Brasil é o país com mais pessoas depressivas na América Latina, em torno de 5,8% da população. Este número comprova que 11,5 mil brasileiros sofrem desta doença. E assim como a depressão, Eliete M. M. Fagundes, coordenadora do curso tradicional de Formação em Ciência da Homeopatia do Instituto Tecnológico Hahne…

Doutores de Esperança recebem novos voluntários em Volta Redonda, na região Sul Fluminense

Volta Redonda, RJ. O grupo de humanização hospitalar "Viver de Rir - Doutores de Esperança", projeto da ADRA (Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais), promoveu na noite do último sábado uma cerimônia de formatura para os 100 voluntários da 6ª turma. O encontro aconteceu na Igreja Adventista do Sétimo Dia, em Volta Redonda. O projeto, que começou com dois trios de voluntários, hoje reúne mais de 150 pessoas. 
Treinos intensos, palestra sobre ética no voluntariado, capacitações diversas sobre conduta hospitalar e biosegurança, iniciação a palhaçaria, personagem, make up e figurino, visitas em hospitais e asilos. Para ser um voluntário do grupo, é preciso ter muita força de vontade e amor ao próximo, pois os trabalhos são realizados aos sábados e domingos. Os Doutores de Esperança já estão conhecidos na região Sul Fluminense por "especialistas em despertar sorrisos e emoções", além de colaborarem na recuperação dos pacientes.
O mais novo integr…