Pular para o conteúdo principal

RJ: Reame busca padrinhos afetivos para jovens preteridos da adoção

Instituição garante que referência familiar para convívio e autonomia social é algo fundamental e transformador



Situado em São Gonçalo e parceiro da nacionalmente reconhecida ONG Quintal de Ana, o Reame procura por padrinhos afetivos (presenciais, para aconselhamento e tutoria) a menores órfãos ou privados pela Justiça do convívio com a própria família. Ao alcance da maioria dos filantropos e dos bem intencionados, o programa propõe aos padrinhos doar tutoria e afeto a uma criança ou adolescente com menor probabilidade de adoção (acima de oito anos de idade) ou mesmo de reinserção em sua família verdadeira - dando-lhe, assim, referência familiar e autonomia social. Mais do que apoio financeiro, buscam-se altruístas que doem  presença e carinho.

"Quanto mais velho menor a procura por adoção. E se a reinserção familiar não é possível, o apadrinhamento afetivo torna-se o elo do tutelado com a sociedade. Trabalhamos na criança sua expectativa e ansiedade quanto a ter uma família, ir morar em um lar, para que não se iluda nem sofra com o apadrinhamento que não resulta em adoção de fato, mas não tiramos sua esperança, pois é isso que alimenta o ser humano", explica Rose Brito Dias, coordenadora pedagógica do Reame.

A instituição social sem fins lucrativos, fundada em 1995 na Avenida Santa Luzia, possui 26 funcionários (pagos com verba vinda de empresas parceiras) e é presidida por um grupo de diretores, todos voluntários. Atualmente o local possui dez menores residentes (no ano passado eram 30), encaminhados pelo Juizado da Infância e Juventude, que recebem formação em escola pública próxima, acompanhamento sociopsicopedagógico – extensivo às famílias, quando há – além de atividades esportivas e cursos profissionalizantes através de parcerias.

Em 2015 houve 40% de adoção e 20% de reintegração familiar, 90% de crianças apadrinhadas, 50 familiares assistidos e 290 participações em atividades comunitárias. Através do Projeto Família Fortalecida, o vínculo familiar é solidificado de forma lúdica. Mas o trabalho não é fácil. “Grandes fatos expõem crianças à extrema vulnerabilidade, como violência doméstica, prostituição e trabalho infantil, bem como o apelo integrar o tráfico de drogas. Esses tristes fatos revelam o quanto temos que trabalhar a cada ano”, conta Gislaine Freitas, a fundadora. 

O principal, mais nobre e desafiador projeto do Reame, no entanto, talvez seja o apadrinhamento afetivo. “Uma cidade é transformada quando também as condições de vida das crianças e adolescentes são alteradas e protegidas dos diversos tipos de violência. O Reame acredita que lugar de criança é em família, e numa família que possua estabilidade socioeconômica e emocional para criá-las”, ressalta outra diretora, Renata Daflon. Para conhecer melhor a instituição e o projeto de apadrinhamento afetivo, acesse o site reame.org.br ou entre em contato com 3183-1399 e parceria@reame.org.br, além da página no Facebook.


Postagens mais visitadas deste blog

Norton: 5 dicas para que as crianças joguem Pokémon Go em segurança

Jogo é febre mundial e foi lançado ontem no País, conheça os perigos reais aos pequenos

Pokémon Go foi lançado no Brasil após muita espera de seus fãs, pessoas de todas as idades que estavam ansiosas para capturar seus próprios “monstrinhos de bolso”. O jogo utiliza a realidade aumentada e a localização geográfica (GPS) para transportar a pessoa para o universo do desenho, usando o mundo real. O objetivo do jogador é caminhar para encontrar os Pokémons e outros itens. Apesar de muito divertido, o jogo oferece perigos virtuais e reais, principalmente para as crianças. 
Veja abaixo 5 dicas que o engenheiro de segurança da Norton, Nelson Barbosa, listou para os pais orientarem seus filhos:
1. Cuidado com estranhos. O jogo envolve interação com outros jogadores na vida real, em áreas chamadas de ginásios e Pokéstops. Neste locais ocorrem as batalhas entre Pokémons e a compra dos itens, respectivamente. Os criminosos podem se aproveitar disso para roubar as vítimas. Por isto, caso não possa…

Coluna Inclusiva: Nanismo dentre as Leis de conscientização e ação

Por Gisele Rocha*


A comunidade da pessoa com nanismo no Rio de Janeiro, teve um encontro de gratidão. A presidente da Associação de Nanismo do Estado, Kenia Maria Rio se encontrou com a Deputada Daniele Guerreiro, em seu gabinete, que elaborou o Projeto de Lei, que institui o Dia Estadual do Nanismo. Em meio às emoções, a presidente agradeceu pela sensibilidade e dedicação da parlamentar, ao instituir a lei.
No Brasil são cerca de 400 tipos de nanismo e não existem planos de ação para combater o preconceito, nem para dar mais qualidade de vida a essas pessoas. Com o decreto 5.296, o nanismo é considerado deficiência no país, desde 2004, e considerados “anão ou anã” o individuo com até 1,45 metros.
A garantia dos direitos da pessoa com nanismo está assegurada por lei, mas quanto à conscientização de fato, já é outra história, na prática não funciona. As leis que estão sendo sancionadas pelo Brasil a fora serve para o combate ao preconceito, ao bullyng nas escolas, a ridicularização na …